O Schwalbe Hans Dampf sofreu uma reformulação completa e chegou, na sua mais recente versão no mercado, com um perfil completamente novo e compostos Addix.

A marca refere que os tacos são até 50% mais largos e garantem uma boa aderência em todas as posições, curvas ou situações extremas. Fomos testar os Hans Dampf para saber como se portam em todas as situações!

-Publicidade-

Para quem não conhece, o composto Addix tem 4 versões.

  • O ADDIX SPEED, composto ideal para competições XC, pois a resistência de rolamento é ainda mais baixa que o anterior composto PaceStar.
  • O ADDIX SPEEDGRIP, este é o mais equilibrado de todos, logo o que oferece maior amplitude de uso – quase um composto universal e disponível em quase toda a linha de pneus EVO. Este composto substitui o anterior PaceStar.
  • O ADDIX SOFT, que se destina à exigência dos trilhos e pistas no mundo da competição. Possui boas características de rolamento e, ao mesmo tempo, boa flexibilidade.
  • E por fim, o ADDIX ULTRASOFT, para ser usado em condições extremas, quando o piso esta molhado, este composto permite que o perfil se ‘cole’ ao terreno e encontre aderência onde nenhum outro consegue.

Primeiras Impressões

O Hans Dampf chegou-nos na versão Addix Soft TLE, ideal para trilhos com vertente de Enduro/Downhill. Os seus grandes tacos centrais, chamam a atenção pela sua altura e proeminência, e o seu perfil tem todas as características de um pneu de Enduro, robusto e agressivo.

Com carcaça Snakeskin, o seu peso é de 830 gramas, no tamanho 29″ X 2,35″, estando dentro dos parâmetros habituais para este tipo de pneus. O padrão do piso é bi-direccional, logo pode ser montado em qualquer direcção.

Teste

As variações da meteorologia durante o tempo de teste do Hans Dampf permitiram testá-lo numa grande variedade de terrenos e condições climatéricas. Desta forma foi possível tirar o máximo partido desta nova versão redesenhada.

Uma das alterações ao padrão do piso que a Schwalbe introduziu, foram os tacos com um corte mais arredondado para proporcionar uma transição mais suave em curva. Mas isso vem com um preço, pois perde-se muito em tracção principalmente em terrenos de piso mais duro ou em zona de pedra ou raízes.

O calcanhar de aquiles do Hans Dampf é precisamente a tracção, seja durante a subida ou até mesmo na descida, em que os tacos demoram mais do que era de se esperar até agarrarem no terreno durante a travagem. O facto deste “agarre” não ser imediato, transfere uma sensação de instabilidade principalmente na roda dianteira.

Quando o terreno é de terra muito solta ou lama, o caso já muda de figura, o perfil com os tacos altos fazem o seu trabalho e o pneu ganha aderência possibilitando um bom controlo neste tipo de pisos. Pois em termos de autolimpeza funciona muito bem, o design geral, agora mais aberto, faz com que a lama acumulada seja empurrada lateralmente para fora do perfil ao rolar.

Em termos de curva, o pneu é bastante razoável, nota-se apenas um ligeiro drift até os blocos de transição agarrarem o terreno e transferirem as forças para a borda, no qual os pneus se prendem ao “chão” e conseguem segurar bem a linha. A confiança de entrada em curva cresce à medida em que se vai conhecendo o pneu, pois o equilíbrio entre o amortecimento e aderência que este composto oferece funciona muito bem nestas situações.

Não foi criado para ser um rolador nato, pois isso sai fora da sua área de acção como pneu de Enduro/AM, mas consegue uma boa performance neste departamento. Devido ao novo perfil e aos tacos com um corte mais arredondados, fazem deste uma boa opção para trilhos rápidos, intercalados com secções técnicas.

O composto Addix também aumentou a sua durabilidade em relação à versão anterior. Após semanas de uso e muitos quilómetros naqueles “sapatos”, o desgaste visível é quase nulo e as questões relacionadas com furos ou rasgões foram inexistentes.

Veredicto

Não há dúvida que este pneu tem todas as características que fazem dele a escolha ideal para a modalidade de Enduro. Destaca-se da concorrência em terreno húmido e argiloso, por isso, se este é o teu tipo de piso habitual, o Hans Dampf irá oferecer boas prestações a rolar, em aderência e maior precisão no controlo da bicicleta.

Já em terrenos secos ou piso duro, a performance perde-se, principalmente em termos de tracção. Eu não os escolheria para um pneu para piso seco, apesar de serem previsíveis ao ponto de serem razoáveis ​​de pedalar nessas condições, não transmitem a confiança que é suposto o pneu transmitir.

A questão da durabilidade da borracha e a resistência das suas paredes laterais, são também aspectos a ter em conta.

REVISÃO GERAL
Desempenho
6
Construção
8
Preço
7
Fundador e editor do bttclub.pt. Gosto dos desafios e da aventura que as duas rodas me proporcionam, mas acima de tudo gosto da liberdade do pedal! Nada se compara aquela sensação de pedalar na manhã fresca acompanhada do raiar do sol...