O primeiro troço da Ecovia do Cávado e Homem, entre as freguesias de Fonte Boa e Fão, no concelho de Esposende, será uma realidade dentro de seis meses. Ontem, foi lançada a primeira pedra de uma empreitada com custos a rondar os 350 mil euros, uma pequena parcela de uma projecto intermunicipal avaliado em 12 milhões de euros e que permitirá traçar uma via pedonal e ciclável de 75 quilómetros de extensão entre o litoral de Esposende e as portas do Parque Nacional da Peneda Gerês.

 

-Publicidade-

ecovia-do-cavado-e-homem

Com o lançamento da primeira pedra do troço Fão – Fonte Boa, o Município de Esposende deu, ontem, o pontapé de saída da Ecovia do Cávado e do Homem, que vai ligar a cidade da foz do Cávado a Terras de Bouro, numa extensão de 75 quilómetros.

A infraestrutura, um projecto intermunicipal que envolve os municípios da Comunidade Intermunicipal do Cávado – Esposende, Barcelos, Braga, Vila Verde, Amares e Terras de Bouro, ligará duas importantes áreas protegidas – o Parque Natural do Litoral Norte e o Parque Nacional Peneda Gerês, sempre ao longo das margens dos rios Cávado e Homem, proporcionando a sua valorização paisagística e ambiental, potenciando este território em termos turísticos.

Na sessão de lançamento da primeira pedra do troço que atravessa o concelho, em Fonte Boa, o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, assinalou a importância da Ecovia do Cávado Homem, dizendo que é “uma infraestrutura importantíssima” para toda a região, quer do ponto de vista da mobilidade quer do da atratividade do território, constituindo-se como “impulsionadora e fomentadora do desenvolvimento” dos municípios abrangidos. O Autarca notou que esta Ecovia vai interligar com a Ecovia do Litoral, permitindo a mobilidade suave entre os municípios do Cávado e do litoral, ao longo de “150 quilómetros de percursos de beleza única”.

Benjamim Pereira notou que, não obstante este trajeto ter obtido financiamento comunitário, sempre foi intenção do Município proceder à sua concretização atendendo à sua importância, e manifestou a expetativa de que os restantes municípios vejam também aprovadas as suas candidaturas.

Luís Macedo, Secretário Executivo da CIM Cávado, felicitou o Município de Esposende pelo facto de sempre ter acreditado neste projecto e ter dado os passos certos em devido tempo. Aludindo à complexidade do processo, Luís Macedo reconheceu que não foi fácil alcançar unanimidade, garantindo, contudo, que todos os municípios estão agora em sintonia. “Este projecto parecia uma utopia, mas vai ser uma realidade”, afirmou, enaltecendo a mais-valia da Ecovia do Cávado Homem aos mais variados níveis.

Com um investimento total de cerca de €12 milhões a aplicar nos próximos cinco anos, a ciclovia terá um total de 75 quilómetros e beneficiará também os concelhos de Barcelos, Braga, Vila Verde, Amares e Terras de Bouro. Uma das ciclovias, com 55 quilómetros de extensão, vai ligar Esposende a Amares e o respectivo projecto base já está elaborado, cabendo agora a cada município trabalhar no projecto do troço que vai atravessar o seu território.

ecovia-cavado-braga

Esta ciclovia faz parte de um plano mais abrangente com que os municípios do Vale do Cávado querem fazer desta uma região inteligente, através de uma aposta focada na mobilidade suave e na eficiência energética.

O investimento tentará aproveitar os fundos comunitários do Portugal 2020, mais concretamente do Norte 2020, uma vez que, ao desenvolverem ciclovias interurbanas e intraurbanas, os seis municípios do Vale do Cávado (Amares, Braga, Barcelos, Esposende, Terras de Bouro e Vila Verde) pretendem promover a mobilidade suave no interior das cidades, bem como a redução de emissões de CO2.


6 COMENTÁRIOS